Bradesco anuncia eleição para o cargo de Luiz Carlos Trabuco Cappi

Resultado de imagem para Luiz Carlos Trabuco Cappi
Luiz Carlos Trabuco Cappi

O Bradesco se prepara para a eleição de mais um presidente-executivo. O sucessor de Luiz Carlos Trabuco Cappi será o quinto do banco e terá como principal desafio o ingresso de mais clientes aos recursos digitais oferecidos. O anúncio está previsto para março, quando ocorre a assembleia geral com acionistas e a reunião do conselho.

Luiz Carlos Trabuco Cappi ocupará provisoriamente dois cargos: o de presidente executivo e presidente do conselho administrativo. Segundo ele, a escolha pode ser anunciada antes de março: “A instituição tem condições de escolher dentro do atual quadro de executivos quem será o novo presidente,” afirmou o executivo.

A mudança acontece após a renúncia de Lázaro de Mello Brandão do cargo de presidente administrativo. Em seu lugar assumirá Luiz Carlos Trabuco Cappi, que não poderá manter os dois postos devido a uma regra no estatuto do banco. Brandão, por sua vez, assumirá o conselho de administração das empresas comandadas pelo Bradesco.

Para Brandão, no posto desde 1990, é preciso haver renovação prudente no cargo. Ele ainda afirmou que o banco precisa acompanhar os processos tecnológicos em virtude de um bom atendimento ao público, mantendo o foco nos clientes (pessoa física) e no varejo.

Lázaro de Mello Brandão, agora com 91 anos, ingressou na instituição em 1942, na época ainda chamada de Casa Bancária Almeida & Cia e foi o segundo presidente executivo entre os anos de 1981 e 1990.

Já Luiz Carlos Trabuco Cappi disse em entrevista “que o próximo presidente será egresso do corpo executivo do Bradesco”. Presidente desde 2009, Trabuco, como é conhecido pelos amigos mais próximos, chegou a instituição em 1969 e passou por vários níveis hierárquicos até chegar ao cargo mais prestigiado do banco.

A frente do segundo maior banco privado do Brasil, Luiz Carlos Trabuco Cappi ficou conhecido pela aquisição da filial brasileira do HSBC, ocorrida em 2015. A negociação girou em torno dos R$ 5,2 bilhões, na época, a maior transação financeira do ano e uma das maiores da década.

Em seus últimos meses no posto, o executivo buscou uma maior digitalização nos processos e negócios, por conta do crescimento de fintechs nos país. Em relação a sua sucessão, Trabuco acredita que esse seja uma tradição salutar que os processos de sucessão sejam feitos para serem guardados na memória, uma vez que refletem no presente e no futuro da organização.

O executivo também reforça que o maior desafio para quem ocupar a cadeira é a “alfabetização” dos clientes que ainda não acessam ou possuem algum processo digital. Atualmente pouco mais da metade (14 milhões) dos 27 milhões aderiram aos recursos digitais do banco.

Entre os mais cotados para ocupar o comando do banco estão o vice-presidente Alexandre Glüher, a frente da área de Relações com Investidores;

O vice-presidente Josué Pancini, atualmente responsável pela rede de agências. O diferencial é o tempo de permanência no cargo;

Maurício Minas, vice-presidente de tecnologia. O ponto positivo deste executivo foi o papel de liderança na revolução tecnológica dos processos internos e na criação do Next, banco digital da instituição.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *