Estudo comprovou que desde o nosso nascimento já apresentamos medo de cobras e aranhas

Apesar da maioria das pessoas apresentarem um grande  medo de animais como aranhas  e cobras, a grande parte delas nunca precisará entrar em contato com eles durante toda a sua vida. Segundo um estudo realizado por pesquisadores, isso acontece porque esse medo pode estar ligado a um fator hereditário, já que até mesmo bebês com poucos meses apresentaram reações de medo diante desses animais. Segundo esse estudo que foi divulgado no periódico Frontiers in Psychology, as conclusões ajudam a entender como o nosso cérebro percebe os perigos e respondem a eles de forma rápida.

Stefanie Hoehl, neurocientista da Sociedade Max Planck, localizada na Alemanha, disse por um comunicado que através desse estudo, eles concluíram que esse medo é proveniente da evolução. A atitude nervosa pode ter sido herdada e acaba afetando as pessoas, que apresentam uma predisposição de ver esses animais como seres perigosos e desagradáveis. Mas quando essas características se juntam a outros elementos, isso pode ocasionar uma fobia ou um medo verdadeiro. O medo apresentado por esses animais pode se converter em um transtorno de ansiedade, o que acaba alterando a vida normal dessa pessoa. Isso acontece quando ela não entra em um local antes de verificar se existe ou não, a presença de aranhas ou cobras nesse local. A pesquisa confirmou que cerca de 1% a 5% de todos os habitantes do planeta, apresentam esse tipo de medo exacerbado por pelo menos um desses animais.

Antes dessa pesquisa ser realizada não se sabia se a repugnância ou a inquietude frente a esses bichos, era instintiva ou se era assimilada quando criança. O que prejudicou a grande parte dos estudos que foram feitos anteriormente e que eram relacionados com esse assunto, foi que eles foram realizados com adultos ou com crianças não tão pequenas, tornando complicado diferenciar se esse sentimento de medo foi assimilado ou se foi hereditário. Sem contar que esses estudos se limitaram em verificar se as pessoas que participaram da pesquisa, conseguiam captar a presença de cobras ou aranhas mais rapidamente do que bichos ou objetos inocentes, e não se eles apresentavam uma atitude ligada ao medo.

Os pesquisadores tentando descobrir qual dos casos era o correto, eles pegaram imagens de cobras e aranhas e algumas de flores e peixes, com cores e tamanhos semelhantes, e mostraram para bebês com seis meses de vida. Eles observaram que os bebês quando olhavam as imagens dos animais que mostravam ser mais perigosos, as suas pupilas ficavam mais dilatadas. Esta transformação mostra um estímulo do sistema cerebral que é responsável pelas sensações de estresse.

 

Quais são os principais benefícios do Abacate para a saúde?

O abacate é uma das frutas preferidas para as vitaminas e para as saladas de frutas, mas a sua ingestão, além de agradar o paladar, é excelente para a saúde.

A fruta é conhecida pelos benefícios que trás para as estrias, já que combate com eficiência as estrias, rugas e até mesmo as celulites. O abacate é rico em vitamina C, o que acelera a metabolização do colágeno, substância essencial para manter a jovialidade e a firmeza da pele.

As vitaminas presentes no abacate unidas com os antioxidantes protegem e evitam o envelhecimento das células da pele, dando uma maior elasticidade da pele, melhorando sua aparência e sua saúde.

O abacate também trás benefícios para praticantes de atividades físicas, já que auxilia no hipertrofia muscular. Por possuir uma gordura saudável, a fruta proporciona energia para os treino,s e suas proteínas e radicais livres ajudam na recuperação muscular e no combate a fadiga, proporcionando uma proteção mais saudável e combatendo o envelhecimento das células.

A fruta é rica em ácido fólico, o que é essencial para a prevenção de doenças congênitas em gestantes, combatendo assim, problemas no sistema nervoso, e também na espinha bífida, o que auxilia na formação da coluna vertebral do feto. Para que todos os benefícios desta fruta sejam absorvidos pela gestante é necessário ingeri-la com regularidade antes de engravidar ou no primeiro semestre da gestação.

O abacate é muito utilizado para nutrir os fios, já que é rico em gorduras e vitaminas, fazendo com que os cabelos fiquem sedosos e brilhantes.

A fruta também pode ser utilizada para quem deseja emagrecer, já que ela proporciona uma sensação de estômago cheio e de saciedade, diminuindo assim o apetite e a quantidade de comida ingerida. Mesmo sendo uma gordura boa, a fruta é calórica, por isso para emagrecer, consuma ela em quantidades menores e regradas.

E por fim ela é muito benéfica para o cérebro, já que melhora a capacidade de memória e de raciocínio, graças a grande quantidade de ômega 3que possui e pelo estimulo de circulação sanguínea que proporciona.

É necessário salientar que o consumo de qualquer alimento, por mais benefícios que tenha, deve ser regrado e controlado, por isso, consuma com moderação e para uma dieta equilibrada procure um nutricionista.

 

Nível do mar elevado aumenta os riscos de desastres naturais no país

As ressacas, enxurradas, enchentes e deslizamentos estarão mais arriscados a ocorrer nas cidades do Brasil consideravelmente devido ao nível elevado do mar. O aumento pode ser de 40 centímetros até 2050, de acordo com o relatório internacional de Impacto, vulnerabilidade e adaptação das cidades costeiras brasileiras às mudanças climáticas.

Entre os anos de 1901 a 2010 a elevação do nível do mar ao redor do mundo foi de 19 centímetros, sendo os de maiores elevações entre os anos de 1993 a 2010 com uma taxa de 3,2 milímetros de elevação ao ano.

Os dados são do 5º relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas que indicaram que o nível do mar irá se elevar globalmente de 26 a 98 centímetros até 2100.

Uma das consequências dessa elevação no nível do mar é a redução da faixa de areia, alerta o climatologista e coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, José Marengo. Em casos como o de Recife – Pernambuco, o mar elevou 20 metros na Praia de Boa Viagem, local que era cartão postal do município e uma das áreas mais bem valorizadas de residências na capital pernambucana. O mesmo ocorre em Santos que é onde funciona o maior porto da América Latina.

A cidade teve o nível do mar elevado uma média de 1,2 milímetros ao ano desde 1940, além de aumentar o tamanho das ondas que foram de 1 metro em 1957 para 1,3 metro em 2002 e também a quantidade de ressaca.

A estação maregráfica da ilha Fiscal, localizada na Baía de Guanabara no Rio de Janeiro possui a mais longa e histórica série desses dados no país, com uma tendência de 1,3 milímetros por ano no aumento do nível do mar de 1963 a 2011 com um índice de confiança de 95%.

O mar do Recife subiu 5,6 milímetros entre 1946 a 1988, o que resulta em uma elevação de 24 centímetros dentro desses anos. A erosão na costa e a ocupação do pós-praia causaram uma redução da linha da praia que ultrapassa os 20 metros em Boa Viagem de acordo com autores do estudo.

 

Falta de diagnóstico e prevenção omite diagnóstico de diabetes no Brasil

Segundo a SBD – Sociedade Brasileira de Diabetes, mais de 14 milhões de cidadãos brasileiros apresentam o quadro de diabetes, doença que eleva os níveis de glicose no sangue e aumenta os riscos de desenvolver doenças cardiovasculares, cegueira, insuficiência renal, impotência sexual, amputação de membros, entre outros malefícios.

Diante dos perigos, o diagnóstico precoce da diabetes é essencial para o tratamento da doença e evitar que os problemas relacionados com ela se manifestem. Mediante a isso, um dos mais complicados e maiores desafios é a identificação da doença. A falta do diagnóstico aponta para um número muito alto de pessoas que têm a doença e não sabem, levando as estimativas de que a metade desta população de mais de 14 milhões de brasileiros têm diabetes sem saber.

“É uma doença totalmente silenciosa, não há sintoma. Então, a pessoa precisa fazer exames para ter certeza se tem”, explicou Márcio Krakauer, diretor da SBD. Um dos agravantes para a existência deste quadro de desinformação, é a falta de qualidade no atendimento de saúde para a população, levando a falta de exames e de controle do diabetes.

“Nem todo mundo tem acesso fácil ao sistema de saúde para a realização de exames que podem identificar a condição. Quem não tem plano de saúde depende do SUS, e por conta da demora para conseguir ser atendido, o paciente acaba recorrendo ao médico apenas em casos emergenciais. Aí não dá para fazer a prevenção.”, explica Cassandra Pauperio, endocrinologista especializada no assunto.

Segundo um consenso entre autoridades de saúde e profissionais especializados no assunto, o que precisa mudar é a identificação da doença quando ela está em estágios iniciais. A diabetes pode ser controlada e tratada permitindo que o paciente consiga ter sua vida normal, mas quando ela não é tratada, ela pode levar esse paciente a óbito. Não só o diagnóstico precoce mas a prevenção da doença devem ser enfatizadas pelas autoridades de saúde dos municípios e estados do Brasil.

“No Brasil, existe um atraso de cinco anos no diagnóstico da doença. Ou seja, quando a gente fala que um paciente é diabético, provavelmente ele já é há uns cinco anos, por conta dessa dificuldade de conseguir atendimento adequado.”, afirma Pauperio.

 

Cientistas da NASA observam nitidamente buraco peculiar na superfície solar

Entre os dias 7 e 9 de novembro de 2017, pesquisadores do observatório da Nasa conseguiram obter imagens de um enorme buraco que teria surgido na superfície solar. Semelhante a uma mancha provocada por tinta, a cratera pôde ser vista de modo bastante nítido, segundo os cientistas que a observavam. A nitidez das imagens se deve, contudo, ao uso de tecnologia ultravioleta.

Chamados de coronais, os buracos dessa natureza tratam-se de aberturas compostas por campos magnéticos ao longo de toda a superfície solar, permitindo com que o vento do Sol seja emitido para outras áreas espaciais, alegam especialistas da NASA conforme informações veiculadas pelo Daily Mail, um jornal britânico. Os pesquisadores destacaram que o fenômeno exerce influência no que se refere à formação de auroras que são observadas em território terrestre.

O surgimento desse tipo de buraco é, conforme representantes da NASA, algo que pode ocorrer de maneira repentina, podendo ocupar diversos fragmentos que estejam presentes em todo a área solar. Durante a fase em que o Sol tem suas atividades reduzidas, período conhecido cientificamente como mínimo solar, a probabilidade de que o fenômeno ocorra á ainda maior, salientam os cientistas do SWPC (Centro de Previsão do Tempo Espacial).

Conforme o Sol vai se aproximando de seu período mínimo presente no ciclo de atividades que realiza, o surgimento de tais buracos conta com um período de 11 anos que favorece com que se formem. Pelas estimativas da NASA, é provável que isso ocorra novamente entre os anos de 2019 e 2020.

O que diferencia os buracos coronais que surgem durante o mínimo solar dos demais períodos é o tempo que estes costumam durar, algo estimado em mais de seis meses. Dessa forma, partículas que atingem a Terra conseguem escapar de forma mais veloz, levando-se em conta as épocas em que o Sol produz seu vento de modo normal. Perturbações, ainda que temporárias, são consequências da ocorrência desse fenômeno solar para o planeta Terra, afirmam os cientistas.

 

Saiba mais: http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2017/11/22/nasa-mostra-abertura-impressionante-no-sol/

 

 

 

Relembre a trajetória de Andre Matos, Cassio Audi e os irmãos Passarell no Viper

O Viper foi uma das primeiras bandas do heavy metal nacional a ter uma carreira internacional consistente. A banda produz um som autoral tomado por influências de Black Sabbath, Dio, Kiss, entre outras grandes do segmento. Juntamente com Sepultura, Korzus e Ratos de Porão, o Viper foi uma das primeiras bandas nacionais a conquistar o público de países como Alemanha, Hungria e Japão.

A banda formada pelos ainda jovens Pit Passarell, Yves Passarell, Felipe Machado, Cassio Audi e Andre Matos conquistaria o mundo mais tarde, ganhando o status de Iron Maiden brasileira, abriu shows para Motorhead e outras bandas famosas e fez shows internacionais. Algo até então só imaginado pelos garotos.

O Viper foi formado em 1985 após outros projetos dos irmãos Passarell, a exemplo da banda Dragon, com Pit na bateria. O nome não durou muito, assim como os demais Pruckles e Rock Migration. Até chegar ao Viper, quando os dois convidaram Andre Matos, Felipe Machado e Cassio Audi para fechar o grupo.

A formação original ficou assim: Yves Passarell e Felipe Machado nas guitarras, Pit Passarell no baixo, Cassio Audi na bateria e Andre Matos no vocal. Os jovens deram seus primeiros passos nas apresentações para amigos e no Projeto SP Metal, idealizado por Luiz Calanca, proprietário de uma loja de discos usados na icônica Galeria do Rock em São Paulo.

Os primeiros materiais profissionais do Viper foram marcados por guitarras rápidas, bateria “sem buracos”, baixo muito presente e os vocais surpreendentes de Andre Matos, que na época não passava dos 17 anos. Na verdade a banda toda era muito jovem, mas mesmo assim mostrou responsabilidade e talento para mostrar ao mundo para que veio. Logo veio a primeira demo, cujo dinheiro foi obtido com o trabalho suado dos jovens.

Essa demo, a The Killera Sword abriu portas para o Viper que em 1987 gravou seu primeiro álbum de estúdio, o Soldiers of Sunrise gravado pela Rock Brigade (gravadora), marcado pelos riffs rápidos e que logo conquistou fãs em todo o país e alguns no mundo.

O segundo álbum o Theatre of Fate (1989) não contava mais com a formação original. Saíram Andre Matos e Cassio Audi para dar lugar a Guilherme Martim na bateria e os vocais foram assumidos por Pit Passarell, além da entrada do tecladista Junior Andrade, o que trouxe uma sonoridade mais melódica ao invés do heavy metal tradicional.

No Evolution, álbum de 1992, a banda retorna aos primórdios e produz faixas mais pesadas que o anterior. Nessa época ela chega ao seu ápice, participando de turnês no Brasil e no mundo. Pouco depois veio o primeiro álbum ao vivo, o Maniacs in japan, gravado no Japão.

Em 1995 o Viper lança o Coma Rage que também agradou ao público, principalmente pela pegada mais hardcore. O mesmo não se pode falar do Tem Pra Todo Mundo, álbum gravado em 1996 com letras em português. Ele não agradou muito e com a falência da gravadora o Viper deu uma pausa nas atividades por alguns anos, voltando em 2007 com o disco All my life.

Formação original

Andre Matos – vocalista

Cassio Audi – baterista

Yves Passarell e Felipe Machado – guitarristas

Pit Passarell – baixista.

Surfistas criam lixeira flutuante que utiliza energia solar para limpar oceanos

Apelidada de “Seabin“, o que era apenas um sonho de dois surfistas australianos se tornou realidade para o bem dos oceanos. A dupla de surfistas inspirados pela poluição das águas teve a ideia de criar a primeira lixeira flutuante que poderá ajudar a limpar as águas do oceano, pelo menos no que diz respeito aos resíduos plásticos e de pequenas quantidades de poluentes e combustível.

Ao final de toda a coleta, os inventores alegam que a lixeira pode ser esvaziada normalmente, como qualquer lixeira residencial. Os objetos poluidores, assim como os resíduos de combustível, entram na lixeira através de uma sucção e ficam depositados em uma bolsa de tela que pode ser removida quando a lixeira estiver cheia.

Os criadores ainda colocaram um mecanismo de energia limpa para manter a lixeira flutuante funcionando. Segundo eles, a lixeira flutuante conta com mecanismos que são alimentados por energia solar, por isso não há a necessidade de mantê-la ligada através de cabos de energia elétrica. O invento foi criado para ser utilizado em lugares marítimos que concentram grandes quantidades de lixo, como é o caso dos portos e embarcadouros. Nesses locais, o vento e as correntes marítimas fazem com que os resíduos de lixo fiquem acumulados.

Segundo os criadores, a lixeira flutuante poderá ser adquirida ainda neste ano. Com capacidade de coletar até 1,5 kg de lixo por dia, a lixeira aquática tem impacto ambiental de 83 mil sacolas de plástico retiradas do mar todos os anos. Estatisticamente, 5 milhões de toneladas de resíduos plásticos vão para os mares todos os anos.

Um dos fundadores do Projeto Seabin, Peter Ceiglinski, defende a ideia como uma alternativa sustentável para a limpeza dos oceanos. Segundo ele, o impacto positivo que várias dessas lixeiras teriam para os oceanos seria significativo.

“Suga pedaços pequenos, pedaços grandes, microplástico e óleo também. Elas são relativamente pequenas, mas até que estão tendo impacto importante. Se colocarmos centenas de milhares de Seabins, o resultado se soma”, disse Peter Ceiglinski.

Os resíduos plásticos somam atualmente um total de 5 trilhões de pedaços do material espalhados pelo mundo. Desse total, 270 toneladas estão nos oceanos do planeta inteiro. Isso tem forte impacto ambiental, pois desencadeia diversas alterações no ecossistema marítimo e na cadeia alimentar.