Empresa Didi compra app 99 por US$ 600 milhões

O aplicativo brasileiro 99 foi comprado pela empresa chinesa Didi Chuxing, que também atua no ramo de aplicativo para transporte. O valor da transação foi de US$ 600 milhões e ainda serão investidos mais US$ 300 milhões na companhia. Antes dessa aquisição a Didi detinha 45% de participação na empresa. O custo da venda corresponde a 100% da empresa 99, que se tornou a primeira unicórnio do Brasil.

Quem iniciou as atividades com o aplicativo de transporte foram Ariel Lambrecht, Renato Freitas e Paulo Veras no ano de 2012. Para comemorar essa venda foi realizada uma pequena festa na sede da 99 que está localizada na zona Sul da capital paulista nesse mês de janeiro. A decoração estava formada por diversos unicórnios infláveis para representar o patamar alcançado pelo aplicativo.

A aquisição foi confirmada pela 99, mas não houve confirmação do valor pelo qual a empresa foi vendida. Em janeiro de 2017 uma parceria entre as empresas havia sido realizada, época em que foram investidos US$ 100 milhões pela Didi na 99.

Segundo uma nota do fundador da empresa Didi, Cheng Wei, esse é um investimento que contribui para a melhoria da mobilidade, propiciando um transporte melhor para a região. A empresa procura colocar em prática estratégias que estejam relacionadas com a globalização.

A Didi Chuxing tem feito diversos investimentos que impulsionaram o seu domínio sobre o ramo de locomoção. Em agosto de 2016, foram investidos US$ 7 bilhões em um negócio local do Uber na China. A empresa também chamou a atenção das gigantes Apple e Softbank. Na China são mais de 21 milhões de motoristas que estão no aplicativo.

Depois da compra da 99, existem algumas perguntas sobre os cargos que os antigos fundadores tinham. Até o momento foi confirmado que Peter Fernandez se manterá no cargo de presidente executivo da 99.

Os planos com essa transação é aumentar o alcance do aplicativo e otimizar o seu uso em diferentes lugares. Nesse ano de 2018, a Didi planejava lançar o seu aplicativo no México, mas as estratégias tiveram um novo rumo depois que as negociações com a 99 foram consolidadas.

Primeiro trailer do filme “Oito Mulheres e um Segredo” é divulgado

 

Estrelado por renomados nomes do cinema americano, o filme “Oito Mulheres e um Segredo” teve seu primeiro trailer revelado no dia 19 de dezembro de 2017. O filme que faz uma menção clara a trilogia consagrada e iniciada pelo filme “Onze Homens e um Segredo”, lançado em 2001, é também uma continuação com um elenco feminino que apresenta a mesma temática dos outros três filmes.

O longa será estrelado por atrizes famosas, como Cate Blanchett, Sandra Bullock e a cantora Rihanna. O primeiro filme da trilogia contou com a participação dos atores Matt Damon, George Clooney e Brad Pitt, em alguns dos papeis principais.

A trama de “Oito Mulheres e um Segredo” se inicia com um grupo de ladras que é liderado pela atriz Sandra Bullock, que interpreta a personagem Debbie Ocean no filme. O grupo formado por mulheres é responsável por realizar um roubo nunca visto antes em um baile de gala que ocorre todos os anos no MET, localizado em Nova York.

O elenco ainda conta com a participação de George Clooney no papel de Danny Ocean, irmão da líder do grupo de ladras. Outras atrizes como Mindy Kaling, Anne Hathaway, Helena Bonham Carter e Sarah Paulson, também aparecem no elenco de “Oito Mulheres e um Segredo”. O filme é uma direção de Gary Ross, diretor famoso por realizar o filme “Jogos Vorazes”.

Já no primeiro filme da trilogia, o grupo de ladrões liderado pelo ator George Clooney, que vive o mesmo papel do ex-presidiário Danny Ocean, planejam roubar três grandes cassinos em Las Vegas, justamente na noite em que ocorre a luta internacional. O início da trilogia já é uma refilmagem de um clássico homônimo que foi ao ar pela primeira vez em 1960, quando o papel principal era encenado pelo cantor Frank Sinatra.

Falando sobre a trama do filme, a atriz Sandra Bullock revelou: “Bom, eu não posso revelar muito. Mas definitivamente sou a irmã do Danny, e nós com certeza viemos da mesma família e somos muito bons no que fazemos”.

O filme “Oito Mulheres e um Segredo” deverá estrear nos cinemas dos Estados Unidos no mês de junho de 2018. Aqui no Brasil a data ainda não foi divulgada, mas deverá ocorrer logo após a estreia americana.

 

Horário de verão de 2018 começará após eleições no mês de novembro

Um novo decreto foi editado no dia 15 de dezembro de 2017 pelo presidente Michel Temer, que reduziu a duração do horário de verão para o ano de 2018. Segundo o decreto, em vez de começar no mês de outubro, o horário de verão de 2018 começará no mês de novembro. As regras poderão ser mantidas para os próximos anos, ou ainda ser excluídas completamente, caso o horário de verão seja eliminado de vez.

Após a edição feita pelo presidente Michel Temer, o decreto foi publicado no dia 18 de dezembro de 2017 através do DOU – Diário Oficial da União. Antes da publicação, as informações tinham sido fornecidas pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

O Planalto revelou que essa medida tomada pelo presidente viabiliza o pedido feito por Gilmar Mendes, o atual presidente do TSE – Tribunal Superior Eleitoral. Contudo, ao criar o novo decreto, Temer não alterou a data de término do horário de verão. Sendo assim, o programa se iniciará no mês de novembro, e será encerrado no terceiro domingo do mês de fevereiro em cada ano que o programa for aplicado.

Dentre os estados que utilizam o horário de verão estão: Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás, Paraná, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

De acordo com a nova mudança decretada pelo presidente da república, o horário de verão de 2018 se iniciará a partir de 4 de novembro e irá se estender até o terceiro domingo de fevereiro de 2019. O início do horário de verão do ano que vem será marcado pela semana seguinte ao final do segundo turno das eleições presidenciais que ocorrerá no dia 28 de outubro.

O programa que se iniciou em 15 de outubro deste ano, terminará no dia 18 de fevereiro de 2018. Embora muitas pessoas acreditassem no fim do horário de verão, o presidente Michel Temer decidiu que o programa deve ser continuado, mas com algumas mudanças.

O pedido feito por Gilmar Mendes em novembro de 2017, dizia que o horário de verão deveria ser adiado por causa das eleições de 2018. Segundo o ministro e também presidente do TSE, a mudança do início do horário de verão visa garantir que não haja nenhum atraso na apuração de votos das eleições, ou ainda na divulgação do eleito.

 

Salas de cinema voltam a funcionar na Arábia Saudita depois de serem proibidas há mais de 35 anos

O Mistério da Cultura e da Informação divulgou que serão encerradas, as proibições do funcionamento dos cinemas no país, e que irá começar a expedir licenças o mais rápido possível para que esses estabelecimentos possam voltar a funcionar, em março do próximo ano.

A interdição começou na Arábia Saudita há mais de 35 anos atrás, ainda nos anos 80. Essa atitude foi tomada pelos clérigos mais rigorosos, que achavam que os cinemas eram uma ameaça à individualidade cultural, e também religiosa dos sauditas.

Na Arábia Saudita está sendo realizado um projeto de modernização do país, coordenado pelo príncipe Mohammed bin Salman. Foi através desse projeto que foram concedidas as novas licenças para o funcionamento dos cinemas. O projeto Vision 2030, visa levar para o país mais diversão e entretenimento, e começou a vigorar em abril desse ano.

Através de uma nota oficial, o Ministério da Cultura declarou que as licenças para a volta do funcionamento dos cinemas, são um dos objetivos mais importantes desse projeto para o governo, que pretende estimular o povo saudita oferecendo uma cultura nacional livre e rica. Esse projeto está sendo realizado em um período muito importante para o pais, onde o governo saudita está promovendo uma evolução tanto cultural, quando econômica no país, segundo Awwad Alawwad, ministro da Cultura.

De acordo com ele, a volta dos cinemas poderá criar um mercado interno para cerca de 32 milhões de habitantes. Ele ainda declarou que serão mais de trezentas salas de projeções, que contarão com cerca de duas mil telas e que serão inauguradas até 2030 no país.

Há vários anos que cineastas do país questionam que essas interdições dos cinemas, são infundadas em uma era onde existe a internet. Muitas criações feitas em território saudita, fazem sucesso pelo mundo há alguns anos e são divulgadas na sua grande maioria pelo YouTube, e também pelos demais meios on-lines existentes que são utilizados para enganar a censura do país.

Um desses exemplos foi uma produção saudita de 2012, chamado O Sonho de Wadjda, que apresentou a direção de Haifaa al-Mansour e foi o primeiro filme rodado totalmente dentro do país. Esse longa-metragem obteve um grande sucesso junto à crítica, tendo sido premiado em alguns festivais renomados de cinema pelo mundo, como os de Roterdã,  Veneza  e Abu Dhabi.

 

Jorge Moll apresenta de que formas a tecnologia tem contribuído para a área da saúde

A área da saúde anda cada vez mais alinhada com inovações tecnológicas, de modo que torna-se praticamente inevitável citar a forma como os atendimentos médicos são promovidos sem tocar nos benefícios que o avanço tecnológico traz ao segmento, destaca o neurocientista Jorge Moll Neto. Atualmente, o médico preside o IDOR (Instituto D’Or), que é voltado para o ensino e a pesquisa no campo da ciência. Tratando-se de uma das vertentes do Grupo D’Or, o local conta com infraestrutura própria para atender diversos tipos de públicos.

Jorge Moll é autor de um artigo acerca do impacto das inovações para a área médica. Dentre os principais pontos de sua publicação, o médico ressaltou a forte presença que os Estados Unidos possuem quando se trata de assuntos relacionados à tecnologia. No país americano, o neurocientista apontou o Vale do Silício, localizado na região norte da Califórnia, como um dos principais locais para o desenvolvimento de mecanismos que atendam as demandas do setor com excelência. Dessa mesma região, contudo, veio palestrar no Brasil um dos maiores estudiosos no assunto, o Dr. Albert Chan da Sutter Health.

A empresa representada pelo médico americano foi eleita uma das que presta boa parte dos atendimentos no país. Jorge Moll ressalta que a instituição onde seu colega atua é destaque perante as demais do gênero pelo fato de aplicar tecnologias no atendimento aos pacientes. Isso se dá por meio do emprego cada vez mais frequente de mecanismos tecnológicos com o diferencial de causar uma verdadeira revolução nos tratamentos e consultas a que os usuários são submetidos, esclarece o neurocientista brasileiro.

No Brasil, Dr. Chan veio com a missão de apresentar o que de mais recente e revolucionário existe para sanar as questões do segmento médico. Com foco no aprimoramento da experiência que os pacientes poderão ter, ele destacou a importância de se acolher bem as pessoas no momento em que são atendidas. Dentre os dispositivos mais empregados pelo americano, o Google Glass foi apontado como o mais inovador, já que possibilita ganho de tempo durante os atendimentos, uma vez que é acionado por comando de voz. Além disso, o recurso tecnológico faz com que os colaboradores da área da saúde consigam salvar os dados dos pacientes, evitando-se o uso de materiais impressos.

Dessa forma, Jorge Moll vê na utilização do Google Glass um meio para que os laços entre os agentes de saúde e os usuários sejam reforçados, algo que ocorre através de um atendimento prestado com mais atenção e humanidade. Com os esforços completamente empregados nas necessidades dos pacientes, o médico do IDOR, assinala que a segurança dos atendimentos torna-se maior. Pelo fato de se fazer uso dos óculos da Google, muitos estabelecimentos conseguirão eliminar arquivos repletos de papel, acrescenta o neurocientista.

Conforme informações trazidas por Dr. Chan em suas explanações, os médicos e demais agentes da área têm a possibilidade de fazerem uma revisão acerca do que foi relatado pelos pacientes em suas consultas. Jorge Moll informa que o americano, além do Google Glass, disse acreditar que smartphones e tablets também são importantes para a melhoria dos atendimentos.

 

Foram encontradas em Montreal diversas cavernas milenares formadas na idade do gelo

Alguns exploradores acharam diversas cavernas milenares que estavam escondidas sob a cidade de Montreal, no Canadá. São estruturas que possuem mais de quinze mil anos, formadas no período glacial. Esse conjunto de cavernas estão conectadas com a caverna de Saint-Léonard e o acesso possui duzentos metros de extensão, com seis metros de altura, sendo que a travessia em alguns pontos somente pode ser realizada de barco.

Depois de anos tentando encontrar essas estruturas, os exploradores que localizaram essas cavernas foram Daniel Caron e Luc Le Blanc. Durante muitos anos, os integrantes da Sociedade Espeleológica, da cidade de Québec, achavam que podia existir outras cavernas conectadas à caverna de Saint-Léonard, em Montreal. Mas a sua localização exata não era conhecida pelos pesquisadores.

Mas os dois exploradores após 2014, utilizaram um pêndulo para ajudar nas explorações com funções de radioestesia, e com o auxílio do aparelho eles começaram a ter uma ideia da localização das cavernas, depois que o pêndulo apontou para uma diminuta rachadura no solo.

Apesar de ser somente uma estreita rachadura, deu aos dois exploradores uma pequena esperança de encontrar as cavernas. Foi somente depois de um ano que eles conseguiram com uma câmera no pêndulo, fazer imagens no interior das cavernas.

Mas foram necessários mais dois anos, para que os pesquisadores conseguissem um local ideal para ser escavado. Apresentando características parecidas nas suas formações com as da Caverna Saint-Léonard, com os  deslocamentos das placas tectônicas  sendo as responsáveis pelas formações das cavernas no período glacial. Com a ameaça que a geleira apresentava em cima das estruturas, o túnel acabou enfraquecido pelo peso do gelo, e o caminho pode ser feito pelos pesquisadores, que conseguiram atravessar a passagem de rocha calcária.

Os pesquisadores utilizaram somente uma broca, um cinzel e um martelo, para conseguir fazer um buraco para enxergar algo além da fissura.

Mas tudo isso era apenas o começo, já que depois eles levaram uma escada para o buraco, que permitiu a passagem dos pesquisadores para explorar as cavernas. Em seguida, eles chegaram em um muro de pedra e precisaram superar mais esse obstáculo, precisando do auxílio de uma corda. Depois que eles conseguiram atravessar o muro, o caminho continuou descendo e eles chegaram no aquífero. Nesse local o teto estava abaixado e a água apresentava uma grande profundidade, que foi quando eles precisaram voltar e descer novamente com um barco inflável, para que pudessem continuar a exploração.

Os pesquisadores já conseguiram explorar 150 metros da galeria subterrânea, mas antes eles fizeram um estudo para saber se existiam algumas casas em cima das cavernas que podiam ser danificadas pela exploração delas.