Sobe o faturamento do setor de exportações do agronegócio

Notícias boas para o Agronegócio brasileiro. Entre janeiro a setembro, as exportações do campo tiveram um faturamento superior a 10% ante ao mesmo período do ano passado, chegando as cifras de US$ 76 bilhões na parcial de 2018. Entre os motivos do bom desempenho estão a desvalorização do real frente ao dólar e pelo retorno da carne para mercados que estavam rejeitando o produto nacional.

Os dados foram levantados e divulgados pela Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) e o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), e foram divulgados no início da semana.

Segundo a Cepea os bons números são capazes de gerar mais investimento para as próximas safras e o fortalecimento do setor. “A inflação ao redor da meta e a redução nas taxas de juros podem favorecer os investimentos na produção agrícola”, diz o estudo, que tem aponta o agronegócio como um dos carros-chefe para o aumento das reservas de dólares do país.

Produtos em alta

De acordo com a entidade, o câmbio do dólar recuou 1%, mesmo percentual de aumento do volume de exportações. Diante de uma desvalorização do real, ativos como soja, frutas, suco de laranja tiveram bons rendimentos. O destaque ficou com a carne bovina, que vive um bom momento, em especial pela retirada dos embargos de diferentes países por conta da crise envolvendo as gigantes do setor, em 2017.

A guerra comercial entre China e Estados Unidos também foi um fator que contribui para o crescimento do faturamento do agronegócio. O motivo foi aumento nos valores pagos pelos grãos brasileiros, diz o professor de economia Eugenio Stefanelo, da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e da FAE. “O prêmio pago no porto tem sido alto, em torno de US$ 2,50 (R$ 9,31, pela cotação de 05/11)”, ressalta.

O professor atribui o crescimento aos fundamentos da oferta e demanda, tendo vista que a China é o nosso principal parceiro comercial. Ele também explica que a peste suína na Europa e a gripe aviária na China contribuíram para as exportações de carne brasileira.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *