Catálogos on-line no canal B2B

Atualmente, os negócios não são apenas vendedores que visitam os clientes e mostram amostras de materiais e pastas especialmente preparados para essas reuniões. Quando o primeiro pedido chegar, seus representantes visitarão o cliente novamente. E de novo e de novo. O tempo gasto na coleta do pedido, na visita, na conversa está começando a ser contado em dezenas de horas, e os custos podem chegar a milhares de reais. O mais caro em todo o processo é o tempo que pode ser economizado inserindo catálogos online. Pequenas mudanças de gerenciamento podem trazer muitos benefícios.

Como isso funciona? Quando falamos de catálogos de comércio eletrônico, queremos dizer uma pasta online que visa apresentar produtos, menos frequentemente serviços, de uma determinada empresa. O objetivo da apresentação são as vendas para o cliente-alvo, que, no caso de catálogos, geralmente é outra empresa. É uma ferramenta para ajudar os vendedores em seu trabalho diário. O catálogo em si não apenas contém fotos e descrições completas dos produtos, mas também permite que você prepare uma cesta para pedidos futuros.

A razão para isso é o desejo de minimizar o trabalho dos representantes de vendas. Mais precisamente, o tempo que eles passam na casa do cliente. A coleta e a conclusão de todo o pedido podem levar muito tempo para um representante. Cada vez mais, o filme decide transferir todo o processo do pedido para os compradores, e o profissional é apenas o coordenador e o destinatário em todo o processo. Ele se torna uma pessoa que mantém relações com o cliente, apresenta-o com ofertas especiais e o ajuda a escolher as mercadorias. A vantagem dos catálogos online é a capacidade de configurá-los e a facilidade de coletar dados sobre pedidos de clientes e o interesse em produtos específicos. Esses prospectos geralmente aparecem em atacadistas que vendem material de escritório, produtos químicos domésticos, livros, cosméticos, produtos de tabaco e em muitos outros lugares que oferecem uma ampla gama de produtos cuja apresentação seria muito difícil. Em algumas empresas, o catálogo de comércio eletrônico eliminou completamente os comerciantes móveis. Eles ocuparam um lugar no escritório e realizam seu trabalho móvel, usando um telefone e um computador.

Branding – como criar sua própria marca em uma loja virtual?

É verdade que trabalhamos com nossa imagem e como nos comportamos, como olhamos e o que dizemos cria nossa “marca pessoal” nos negócios – é nossa etiqueta, uma vitrine, com base na qual somos avaliados por outros. Da mesma forma, em uma rede em que as ações das empresas e de seus funcionários afetam sua percepção sobre você. Quanto mais precisas essas ações, mais ponderadas – melhores resultados alcançamos. Essa construção de marca na web é chamada de e-branding. É um processo de longo prazo que requer uma estratégia ponderada. No entanto, o mais importante é que os custos de tais atividades, traduzidas em efeitos, são relativamente baixos. Vamos começar do começo. No começo era marca.

Ingênuo e perdido, sem ter consciência de seus direitos. Os meses seguintes se passaram, e mais tarde e anos. Os compradores começaram a ganhar experiência no comércio eletrônico, tornaram-se mais confiantes e não foram pegos na “armadilha da promoção”. Ele começou a abordar a oferta à distância, e o ambiente online deu a ele a oportunidade de escolher. Os tubarões de compras eletrônicas começaram a crescer a partir de clientes perdidos inexperientes. A evolução era inevitável e, apesar de durar anos, não era indolor. Ao longo do caminho, muitas lojas que não resistiram à concorrência e compradores que conheciam seus direitos. Foi assim que surgiu um novo grupo de consumidores eletrônicos, chamados de prosumer, ou seja, consumidores conscientes e usuários da Internet. O conceito de prosumer foi introduzido em 1980 por Alvin Toffler – escritor e futurista. No entanto, a passagem do tempo “afinou” levemente seu significado. De prosumer a especialista, embaixador da marca – Pode-se dizer que a fronteira que separa essas duas pessoas é muito fina e se esbate rapidamente. Um consumidor consciente que ficará satisfeito com a compra e começará a se identificar com a marca pode se tornar seu embaixador, defendendo corajosamente seu bom nome. Graças à Internet, o marketing de recomendações é muito bom, e isso é particularmente evidente em blogs e portais de formação de opinião. As pessoas ficam felizes em compartilhar suas idéias e experiências, como demonstrado por pesquisas realizadas.

Sazonalidade das vendas no comércio eletrônico

A sazonalidade nos negócios não é um julgamento para o comércio eletrônico – Um período quente no comércio eletrônico está começando e por “quente” queremos dizer “férias”. Férias e viagens não favorecem o comércio eletrônico, a menos que você venda equipamentos relacionados ao turismo e lazer ou moda praia – você pode facilmente esfregar as mãos e realizar pedidos subsequentes. O fato de que em junho, julho e agosto algumas lojas eletrônicas têm rotatividade menor – não é segredo, mas uma campanha publicitária conduzida adequadamente e promoções bem direcionadas podem nos permitir sobreviver ao “período mais fraco”. Cada setor é diferente. Para alguns, os piores meses são as férias e, para outros, o começo do ano.

Esteja preparado – Primeiro de tudo, não quebre a mercadoria, porque isso pode ser fatal para você. Se você trabalha em um modelo com total direito de retorno ao distribuidor, não precisa se preocupar em ficar com prateleiras cheias, porque sempre pode esgotar seu inventário. Os donos das lojas virtuais são piores, que não podem doar produtos comprados anteriormente. Cálculos incorretos, análises incorretas e verifica-se que temos uma massa congelada de dinheiro nas mercadorias. Existem produtos que não perdem muito valor, mesmo que passem vários meses na prateleira da loja virtual, mas em certos setores a cada semana subsequente está associada a uma perda. É o caso, por exemplo, de lojas de eletrônicos ou multimídia.

O progresso tecnológico galopante e os novos modelos de dispositivos emergentes podem reduzir drasticamente os preços de seus irmãos mais velhos. Esse canibalismo de mercado é um problema para muitos vendedores. Felizmente, se tivermos bons fornecedores, eles nos ajudarão a sobreviver neste momento. Infelizmente, em grande parte a sua loja depende do que os distribuidores oficiais apresentarão e em que estágio da cadeia alimentar de comércio eletrônico está localizada. Quanto mais corretores ao longo do caminho, menores serão seus ganhos. Sabendo tudo isso, você pode começar os preparativos bem antes da estação morta. As vendas sempre atraem clientes: uma campanha publicitária conduzida adequadamente, boas correspondências ou banners podem aumentar o interesse nos produtos da sua loja. Pense em algo original, modele-se nas melhores empresas.

Afiliação ao comércio eletrônico

Marketing de afiliados – seus comerciantes virtuais – Parece complicado, mas o assunto é muito simples. A afiliação é sobre a execução de programas de parceiros. Para entender melhor seu mecanismo, vamos consultar as atividades promocionais offline.

Imagine que você emprega representantes de vendas. A tarefa deles é vender seus produtos ou serviços em locais que você não pode acessar. Você os equipa com as ferramentas necessárias, ou seja, materiais de publicidade e descontos atraentes. Então eles têm argumentos para atrair clientes. E quanto a pagamento? É apenas comissão. Isso significa que você mesmo define a comissão para seus negociadores e paga somente depois que a transação é concluída com êxito.

Quem é o editor e como ele vende? A afiliação funciona de maneira semelhante. Os vendedores são internautas que promovem sua loja em seu próprio espaço publicitário. Para esse fim, eles podem usar várias formas de publicidade, incluindo correspondências, vídeos, entradas temáticas, banners ou postagens nas mídias sociais. Independentemente do caminho de promoção escolhido, sempre há um link de afiliado no final que identifica o editor.

O que você paga ao editor? Admita, é um mecanismo bastante simples e eficaz. Os custos dessa publicidade dependem apenas do efeito alcançado – é sobre isso que trata o marketing de afiliados, chamado marketing de desempenho.

Você liquida contas com o editor somente depois que o cliente executa uma ação específica. Você define a taxa de comissão e o efeito de seu interesse, ou seja, o tipo de ação realizada. Pode ser uma comissão por vendas bem-sucedidas (CPS), por deixar dados pessoais (CPL) ou por um clique (CPC). No caso das lojas online, os mais eficazes são os programas executados no modelo CPS, porque o benefício mais esperado é o aumento das vendas. Publicidade resolvida para efeitos nos negócios – No marketing de afiliados, você não tem esse dilema. Mas essa não é a única vantagem das campanhas responsáveis ​​pelos efeitos. Uma rede crescente de vários editores : você opera a longo prazo e cria uma equipe cada vez maior de vendedores virtuais. Ao trabalhar com a rede de afiliados, você tem acesso à sua base de editores em constante crescimento, alcançando precisamente grupos-alvo: a publicidade aparece em muitos lugares simultaneamente – adaptada aos seus clientes.

Marketing de conteúdo em eCommerce

Há mais de um ano no mundo do marketing e do comércio eletrônico, duas palavras estão fazendo uma carreira impressionante: marketing de conteúdo. Provavelmente, não existe uma pessoa que nunca tenha ouvido a declaração “O conteúdo é o rei” pela primeira vez. O marketing de conteúdo dividiu o setor de relações públicas, profissionais de marketing, economia e o setor de comércio eletrônico.

Marketing de conteúdo, ou o quê? O marketing tradicionalmente entendido fala com as pessoas, enquanto o marketing de conteúdo fala com elas. Há muita verdade nessa afirmação. Marketing de conteúdo é marketing de conteúdo. Inclui todas as formas de ferramentas de marketing que usamos para criar, compartilhar e compartilhar conteúdo. Seu objetivo não é vender, mas criar conteúdo que influencie efetivamente o cliente em potencial. O conteúdo é fortemente baseado na análise das necessidades do consumidor e, em resposta a essas necessidades, cria conteúdo que inspira, educa e envolve.

Por que o conteúdo é importante? O motivo é muito simples. Paramos de acreditar em publicidade. Durante vários anos, o fenômeno dos chamados “Cegueira de publicidade”, cegueira de banner. A taxa de cliques no anúncio diminuiu de 9% para 0,1%. As pesquisas mais recentes sobre o bloqueio de anúncios na Internet não deixam dúvidas. Cerca de 28,6% dos usuários da Internet bloqueiam anúncios! No estudo da Adobe e PageFair, 45% dos usuários manifestaram total falta de interesse em publicidade, independentemente de onde são emitidos e de que forma. Por outro lado, cada quinto respondente seria capaz de pagar pelo conteúdo se fosse apresentado sem publicidade.

Fatos sobre marketing de conteúdo – Quanto mais informações sobre o produto você encontrar, mais impacto terá. O consumidor moderno procura informações antes de tomar uma decisão de compra. Pergunta no Facebook, pergunta a amigos, verifica seus conhecimentos na Internet. Quanto mais informações ou conteúdo valioso for lido, mais fácil será tomar uma decisão. Veja dois exemplos de descrição do produto que você decidiria ser cliente.

Uma marca é a soma de experiências. Pense em sua marca favorita? Com o que você se associa? Quais são suas emoções? A experiência que uma marca evoca em você é mais forte que a publicidade. O marketing de conteúdo ajuda a criar a experiência da marca.

As conquistas da JHSF sob a liderança de José Auriemo Neto

José Auriemo Neto é um conhecido empresário e Diretor Presidente da JHSF Par desde o ano de 2003. O empresário José Auriemo Neto juntou-se às empresas JHSF em 1993 e ajudou a formar o departamento de serviços, o que garantiu o bom funcionamento das empresas. José Auriemo Neto também se tornou membro da diretoria e isso o ajudou a priorizar interesses específicos. A JHSF era uma empresa bem conhecida, que ajudou no desenvolvimento de propriedades comerciais e residenciais no Brasil.

José Auriemo Neto recebeu a responsabilidade de supervisionar o bom funcionamento da empresa imobiliária no varejo no ano de 2009. Ele garantiu que ele assinou contratos de parceria importantes e exclusivos com grandes empresas; assegurava que a empresa tivesse ligações importantes com grandes empresas que eram benéficas. José também assegurou a reabertura de várias marcas caras pela empresa.

A JHSF acabou conseguindo uma parceria com uma grande empresa exclusiva chamada Valentine. Foi com a ajuda de José Auriemo Neto. As lojas dos namorados se tornaram muito bem-sucedidas com contribuições muito dedicadas de Jose Neto. Em seguida, estudou na Universidade Armando Alvares Penteado – FAAPU, em São Paulo. Ele ganhou mais conhecimento útil no mundo dos negócios. José Auriemo Neto, ajudou na criação do Shopping Santa Cruz Shopping. O shopping tinha todas as comodidades, incluindo restaurantes, um cinema e muitas lojas. Ele é responsável pelo bom funcionamento do shopping. Jose Neto ajudou a estabelecer uma empresa única de gerenciamento de estacionamentos chamou o Parkbem, que os ajudou a resolver as necessidades de vários mercados. A empresa de estacionamento facilitou o desenvolvimento de muitos destinos de compras no Brasil.

José Auriemo Neto mostrou ao longo do tempo a sua notável liderança e capacidade competitiva no mundo do mercado. Ele liderou a JHSF com mais destaque através do exercício de suas habilidades, conhecimento e ética de trabalho adequada. José Auriemo Neto tem sido conhecido como o empresário mais influente. A JHSF tem no futuro um plano de inaugurar outros shoppings em São Paulo, sob a liderança de José Auriemo Neto, para ajudar a atender as demandas do crescente mercado econômico competitivo no Brasil.

Snapchat vende? Como ganhar nas mídias sociais?

O Snapchat vende? As mídias sociais vendem? Dissipar notícias e sugerir como ganhar através da mídia social. Existem muitas declarações de especialistas em marketing que sugerem que “as mídias sociais não vendem”. E então pergunto se eles trabalham em vendas ou marketing?

A mídia social não vende. Fim da história. A mídia social não venderá e não venderá até que a opção de um botão de compra conectado a uma loja online seja introduzida diretamente. E provavelmente por muito tempo em muitas mídias sociais não será essa opção. Dizer que a mídia social não vende é como dizer que uma prateleira de uma loja não vende.

A mídia social tem como objetivo despertar as necessidades de nossos destinatários de mensagens, convertendo-as em possíveis clientes. Como ganhar dinheiro nas mídias sociais? A receita é simples: crie cobertura, as vendas virão por si só.

As ações ativas aumentam o número de assinantes, independentemente do canal de comunicação que você escolher – Snapchat, Twitter, Facebook, Instagram. No entanto, você deve se lembrar que a mídia social não vende, você vende – construindo sua imagem profissional e participando ativamente da comunidade.

Publique conteúdo valioso e inspirador que as pessoas vão querer assistir. Participe da discussão – sempre que você tiver algo valioso para trazer, seja visível. Você vê pessoas procurando seus serviços? Apresente sua oferta.

Recomendar outras pessoas – muitas pessoas pensam que ao recomendar, podem perder e aumentar a cobertura para outra pessoa. Bobagem. Apoie o que é valioso, seus destinatários lembrarão quem o recomendou. Você ganha o dobro.

Acompanhe o crescimento do número de fãs, interação / engajamento – tire conclusões sobre o que você gosta e o que interessa ao seu público. Use a proporção certa de informações – na grande maioria das postagens, forneça conteúdo valioso e útil, ofertas, solicitações, publique seus próprios sucessos com menos frequência. Trate-o como capital social, para que suas solicitações e comunicações sejam efetivas, você deve investir nele, reunir juros – e só então retirar os benefícios de tempos em tempos. Publicação eterna da oferta – não será muito diferente da publicidade pouco atraente no pólo da publicidade.

Como criar correspondência eficaz para atividades de marketing de conteúdo?

O email marketing é a forma mais eficaz de comunicação de marketing. No entanto, vale lembrar que apenas cerca de 4% dos destinatários que visitam um determinado site estão prontos para compra imediata. A grande maioria dos destinatários precisa de tempo para tomar a decisão certa. É aqui que as estratégias de planejamento de leads, o marketing de conteúdo e, é claro, um boletim comprovado e confiável são úteis. A questão é como criar correspondência eficaz que criará uma imagem positiva entre os destinatários?

Primeiro olhar – O mais importante é a primeira impressão – é algo que você nunca deve esquecer! No caso do boletim informativo, a primeira impressão será respondida pelo retângulo superior medindo 650 px (largura máxima de correspondência) por 350 px – esse é o retângulo que será visível na maioria dos programas de email sem precisar rolar a tela. Este campo deve conter algo que atraia a atenção do destinatário para leitura adicional.

Como regra, o uso do seu logotipo funciona muito bem na viga superior. Um breve resumo do conteúdo do boletim também funcionará positivamente – para que o destinatário, após uma rápida verificação da parte superior do e-mail, saiba o que esperar. Vale lembrar que o texto de “editorial” deve ser escrito em uma fonte suficientemente grande – também é bom usar marcadores que organizarão a estrutura da parte posterior.

Layout do boletim informativo – A segunda questão importante é como projetar o todo. Vale a pena usar o espaço livre para separar notícias específicas umas das outras. Você também pode usar linhas verticais que separam um slot de mensagem de outro. Um efeito semelhante será alcançado usando o jogo apropriado com a cor de fundo das “notícias” individuais.

Outra questão importante é o número de “notícias” (slots de informações) que você deseja usar no boletim. É geralmente aceito que não deve haver mais de 7 mensagens. É por isso que não vale a pena criar boletins muito longos. No entanto, se você “precisar” fazê-lo, tente dividi-lo para que ele consista em duas ou mais categorias de informações. Deve apresentar o leitor em uma frase. Muitas vezes, pode vir a ser o único texto que o destinatário deseja ler. O cabeçalho deve ser o mais específico possível e sem elementos desnecessários.

Como criar correspondências atraente no marketing por e-mail

Você sabe quanto impacto seu modelo de boletim de notícias tem nas vendas por email marketing? Você costuma enfrentar o dilema de qual elemento se livrar e o que adicionar para tornar a correspondência mais legível, melhor convertida e atraente? Você não precisa mais se perguntar. Essas e outras perguntas são respondidas pelo relatório de email marketing.

Nossos hábitos como leitores estão em constante evolução. Os dispositivos móveis significam que digitalizamos mais o texto do que lemos com concentração. Lemos seletivamente, desenho olhos algo em forma F. Isso ocorre porque nossos títulos são atraídos por títulos grandes e parágrafos curtos.

Geralmente não focamos no texto sob o cabeçalho – quanto maior o texto do criativo, maior a probabilidade de ele ser lido devemos evitar colocar informações importantes na parte inferior da mensagem. Para focar os olhos do destinatário nos elementos de vendas, você também deve desativar ou reduzir o texto introdutório da mensagem o máximo possível. É melhor usar este local para um slogan de vendas que será destacado com uma cor, moldura, fonte ou plano de fundo maior.

Chamada à ação do produto – O posicionamento adequado dos elementos-chave é uma etapa muito importante no design do modelo. Estamos acostumados ao fato de o logotipo estar sempre no canto superior esquerdo da mensagem. Qualquer mudança nesse sentido resulta em menor percepção dos destinatários.

Os botões de call to action devem ser colocados o mais alto possível acima das fotos do produto. Essa é uma observação muito interessante, porque a maioria dos profissionais de marketing se acostuma com o fato de que a chamada à ação ocorre somente após a apresentação da oferta. Definitivamente, vale a pena fazer testes A / B criativos nesse sentido.

O número de colunas na mensagem não tem um impacto tão grande na percepção dos destinatários. Ao tomar uma decisão, vale a pena orientar-se por quais dispositivos abrem o correio do destinatário. Se cerca de 8% dos seus destinatários usam dispositivos móveis, use a versão de coluna única ou dupla. O elemento de correspondência que sempre prestamos atenção em primeiro lugar são os rostos humanos. É a partir deles que tentamos ler a quantidade máxima de informações. As expressões faciais e a direção da incidência são de importância fundamental.

Tendências em marketing na internet

Seus esforços de publicidade podem custar menos, a maior parte do trabalho será por si só e os usuários terão mais chances de clicar nas notícias e assistir ao que você publica. Verdadeiro ou falso – que tendências irão governar o marketing na Internet?

Automação em marketing na internet – Pessoas de todo o mundo estão se perguntando se os robôs aceitarão um emprego de um ser humano. O desenvolvimento tecnológico trouxe enormes oportunidades de automação para o marketing na Internet. Por enquanto, no entanto, em vez de se preocupar com a perda de um emprego – mais e mais empresas estão optando por usar ferramentas modernas.

A automação das atividades de publicidade permite que os profissionais de marketing desviem sua atenção de atividades rotineiras e repetitivas – para aquelas que exigem alto comprometimento e trabalho criativo. Além do mais – os recursos avançados de muitas ferramentas permitem não apenas superar as pessoas, mas, acima de tudo, trabalhar com mais eficiência e rapidez.

Bots de atendimento ao cliente – Embora os bots nada mais sejam do que a automação descrita acima – decidimos destacá-los em um parágrafo separado. O desenvolvimento de bots com suporte ao atendimento ao cliente em muitos aspectos se assemelha à revolução que a mídia social fez. A solução é relativamente simples de implementar e oferece grandes oportunidades para as marcas menores e globais.

Os robôs no site e nas mídias sociais podem melhorar a qualidade do serviço ao cliente e se traduzir em aumento de vendas. Embora este seja um dos poucos tópicos que ainda não foram mencionados em todos os lugares – o mercado mostra um aumento dinâmico no interesse em bots. O Facebook e a introdução de novas oportunidades para empresas na área de Messenger contribuíram para o desenvolvimento dessa tendência.

Por vários anos, foi dito que o conteúdo de vídeo conquistará a Internet. Prevê-se que até 2020, os vídeos serão a forma mais popular de postagens no Facebook e se tornarão uma enorme fonte de tráfego em sites. Olhando para redes sociais como Instagram, Snapchat ou YouTube, não temos dúvida de que o formato do vídeo está se movendo ousadamente em direção ao trono.

A popularidade do vídeo como formato de publicidade se deve à grande variedade de benefícios que ele oferece. Muitos leitores preferem assistir a ler, e os anunciantes podem fornecer mais informações mais rapidamente. O vídeo (especialmente conteúdo efêmero e cobertura ao vivo) deve sua popularidade aos algoritmos de mídia social que recompensam esse tipo de conteúdo.